Fechar
Socilitações

Política de Cookies

Seção 1 - O que faremos com esta informação?

Esta Política de Cookies explica o que são cookies e como os usamos. Você deve ler esta política para entender o que são cookies, como os usamos, os tipos de cookies que usamos, ou seja, as informações que coletamos usando cookies e como essas informações são usadas e como controlar as preferências de cookies. Para mais informações sobre como usamos, armazenamos e mantemos seus dados pessoais seguros, consulte nossa Política de Privacidade. Você pode, a qualquer momento, alterar ou retirar seu consentimento da Declaração de Cookies em nosso site.Saiba mais sobre quem somos, como você pode entrar em contato conosco e como processamos dados pessoais em nossa Política de Privacidade.

Seção 2 - Coleta de dados

Coletamos os dados do usuário conforme ele nos fornece, de forma direta ou indireta, no acesso e uso dos sites, aplicativos e serviços prestados. Utilizamos Cookies e identificadores anônimos para controle de audiência, navegação, segurança e publicidade, sendo que o usuário concorda com essa utilização ao aceitar essa Política de Privacidade.

Seção 3 - Consentimento

Como vocês obtêm meu consentimento? Quando você fornece informações pessoais como nome, telefone e endereço, para completar: uma solicitação, enviar formulário de contato, cadastrar em nossos sistemas ou procurar um contador. Após a realização de ações entendemos que você está de acordo com a coleta de dados para serem utilizados pela nossa empresa. Se pedimos por suas informações pessoais por uma razão secundária, como marketing, vamos lhe pedir diretamente por seu consentimento, ou lhe fornecer a oportunidade de dizer não. E caso você queira retirar seu consentimento, como proceder? Se após você nos fornecer seus dados, você mudar de ideia, você pode retirar o seu consentimento para que possamos entrar em contato, para a coleção de dados contínua, uso ou divulgação de suas informações, a qualquer momento, entrando em contato conosco.

Seção 4 - Divulgação

Podemos divulgar suas informações pessoais caso sejamos obrigados pela lei para fazê-lo ou se você violar nossos Termos de Serviço.

Seção 5 - Serviços de terceiros

No geral, os fornecedores terceirizados usados por nós irão apenas coletar, usar e divulgar suas informações na medida do necessário para permitir que eles realizem os serviços que eles nos fornecem. Entretanto, certos fornecedores de serviços terceirizados, tais como gateways de pagamento e outros processadores de transação de pagamento, têm suas próprias políticas de privacidade com respeito à informação que somos obrigados a fornecer para eles de suas transações relacionadas com compras. Para esses fornecedores, recomendamos que você leia suas políticas de privacidade para que você possa entender a maneira na qual suas informações pessoais serão usadas por esses fornecedores. Em particular, lembre-se que certos fornecedores podem ser localizados em ou possuir instalações que são localizadas em jurisdições diferentes que você ou nós. Assim, se você quer continuar com uma transação que envolve os serviços de um fornecedor de serviço terceirizado, então suas informações podem tornar-se sujeitas às leis da(s) jurisdição(ões) nas quais o fornecedor de serviço ou suas instalações estão localizados. Como um exemplo, se você está localizado no Canadá e sua transação é processada por um gateway de pagamento localizado nos Estados Unidos, então suas informações pessoais usadas para completar aquela transação podem estar sujeitas a divulgação sob a legislação dos Estados Unidos, incluindo o Ato Patriota. Uma vez que você deixe o site da nossa loja ou seja redirecionado para um aplicativo ou site de terceiros, você não será mais regido por essa Política de Privacidade ou pelos Termos de Serviço do nosso site. Quando você clica em links em nosso site, eles podem lhe direcionar para fora do mesmo. Não somos responsáveis pelas práticas de privacidade de outros sites e lhe incentivamos a ler as declarações de privacidade deles.

Seção 6 - Segurança

Para proteger suas informações pessoais, tomamos precauções razoáveis e seguimos as melhores práticas da indústria para nos certificar que elas não serão perdidas inadequadamente, usurpadas, acessadas, divulgadas, alteradas ou destruídas.

Seção 7 - Alterações para essa política de privacidade

Reservamos o direito de modificar essa política de privacidade a qualquer momento, então por favor, revise-a com frequência. Alterações e esclarecimentos vão surtir efeito imediatamente após sua publicação no site. Se fizermos alterações de materiais para essa política, iremos notificá-lo aqui que eles foram atualizados, para que você tenha ciência sobre quais informações coletamos, como as usamos, e sob que circunstâncias, se alguma, usamos e/ou divulgamos elas. Se nosso site for adquirido ou fundido com outra empresa, suas informações podem ser transferidas para os novos proprietários para que possamos continuar a vender produtos e serviços para você

29 de novembro de 2023
Live Coins

Em painel realizado no último dia 17, Campos Neto revelou que tanto o Drex quanto o Pix poderão receber atualizações para que cidadãos usem o serviço offline, ou seja, sem depender do acesso à internet.

Na conversa, o presidente do Banco Central do Brasil também falou sobre os desafios da inflação, criação de moedas únicas entre países, uso de inteligência artificial e outros pontos.

“Os pagamentos estão sendo digitalizados, o dinheiro em espécie vai perdendo importância ao longo do tempo.”

Drex e Pix poderão funcionar sem internet, diz presidente do BC

Hoje uma das maiores limitações das moedas digitais é a dependência da internet. Conforme citado em uma pergunta direcionada a Campos Neto, alguns locais não possuem acesso a essa tecnologia, o que poderia afetar a democracia financeira. Em resposta, o presidente do BC afirmou que eles já estão desenvolvendo uma solução para isso.

“Quando a gente fez o Pix, eu fiquei um pouco frustado porque eu achei que, quando a gente desenhou o Pix e jogou pros bancos trabalharem com o negócio, os bancos iam fazer o offline”, comentou Campos Neto. “Porque é relativamente fácil.”

Seguindo, o presidente do BC comenta que hoje as pessoas andam com um troco na carteira para pagar por coisas pequenas. “Você pode fazer isso de forma digital, tira do online, coloca no offline”, explicou Neto, notando que o limite seria pequeno.

“Mesmo sem sinal [de internet] você conseguiria pagar com offline via celular. Não precisa ter Wi-Fi. A gente achou que alguns bancos iam fazer isso naturalmente, mas não fizeram.”

Em defesa dos bancos, Neto aponta que esse era um desenvolvimento caro e que havia outras prioridades já que eles estavam sobrecarregados.

“A gente ta carregando numa ideia de ter o offline, não só para o Drex, eu acho que você pode ter o offline no Pix também”, comentou Neto. “Você pode ter uma carteira digital dentro do seu celular, onde você deposita um dinheiro offline e pode fazer aqueles pagamentos offline, contanto que seu celular tenha bateria, mas não precisa ter sinal [de internet]. A gente está testando alguns modelos assim.”

Continuando, o presidente do BC também revela algumas fraquezas do atual modelo de segurança, como o uso de biometria facial. Segundo Neto, essas tecnologias tendem a ficar mais vulneráveis com o tempo. “A biometria precisa ser uma coisa muito forte, então a gente também está trabalhando nisso”, finalizou.

Países não precisam mais de moeda comum, alerta Campos Neto

Em outro trecho da conversa, Campos Neto fala sobre a possível criação de moedas em comum entre países. Segundo o presidente do Banco Central, a tecnologia permitiu que essa ideia fosse deixada no passado.

“Sempre tive envolvido em momentos onde queriam criar uma moeda única da América do Sul, moeda única com a Argentina”, iniciou o presidente do BC. “No final das contas, se a gente parar e pensar o que a literatura oferece de vantagem em termos comerciais por você ter moedas únicas, a digitalização faz isso para você, sem você precisar abrir mão da liberdade da política monetária.”

Explicando seu comentário, Neto aponta que se vários países tiverem moedas digitais conectadas em tempo real, você atingiu o benefício que teria em ter uma zona de moeda única.

“Vai ser um trabalho grande do Brasil no G20. A gente quer abraçar esse negócio de criar uma plataforma de ligar os diversos sistemas de pagamento, porque cada lugar do mundo está desenvolvendo um sistema de pagamento. O que a gente não conseguiu ainda é ligar um no outro.”

Seguindo, Neto também nota que a tecnologia está evoluindo rapidamente. Como exemplo, cita que hoje é possível realizar conexões entre sistemas com ou sem blockchain. “Isso não existia há dois anos”, comentou, também citando para o uso de pools de liquidez em forma de token.

O vídeo completo pode ser assistido na íntegra abaixo, onde o presidente do Banco Central do Brasil também fala sobre outros aspectos da nossa economia.

Compartilhe nas redes sociais
Facebook Twitter Linkedin
Voltar para a listagem de notícias